A arte do “passar a ferro”

Descobri recentemente que utilizar um ferro de engomar para N peças de roupa (em que N>10) se torna demasiado cansativo. De facto acho que não consegui chegar às 10. Mas enganam-se os que julgam que é o acto de passar a ferro que torna a demanda tão fastidiosa. O que me enerva mesmo é dobrar as peças, verificando que o que já estivera até há pouco tempo liso, se torna, mais uma vez, numa peça digna de voltar ao “ferro”.

Dei por mim aí aos saltos, a tentar utilizar a informação dispersa para atingir o meu fim de maneira mais eficiente. Encontrei esta maravilhosa (e feia) máquina que rejeitei por completo, visto que parece algo vindo da Guerra das Estrelas. Esta prenda do Youtube é realmente fantástica, pena é que não tenha t-shirts aos pontapés para dar lhe dar bom uso. Mas a facilidade de construção permite-me pensar que um dia a hei-de montar. Por fim, algo que já experimentei e que realmente resulta, vem dos amigos japoneses. Terra do Sushi e da nobre arte de dobrar t-shirts. Arigatoo 😉