Lisbon @ Top 3

Apanhei esta no Diário de Negócios: “Lisboa em 3ª Lugar dos destinos a visitar em 2008”. Segundo a notícia, devido aos preços baixos, os bairros tipicos e o facto do o John Malkovich ser sócio de um restaurante, é motivo para visitar Lisboa. Continuando, refere o estudo da Shermans que é melhor visitar Lisboa antes que as multidões invadam estas ruas e os preços disparem!

Mais curioso, é que continuando a leitura no parágrafo dedicado à nossa capital, é referido que (e perdoem-me a tradução simples): ” “No longer just a stopover on the road to Porto, the capital of Portugal is fast becoming Europe’s next “it” city” ou seja: “Deixou de ser um ponto de paragem na viagem para o Porto, e vai estar na moda”.

Hhhmm.. Afinal, Lisboa não é mais que um ponto de paragem no caminho para o Porto? [ Porto 1- Lisboa 0 ] para os tôristas 😉

Cadiz-Ceuta-Gibraltar

Aproveitando o fim-de-semana prolongado meti-me à estrada com o objectivo de visitar as cidades espanholas de Cádiz e Ceuta, dando também um salto ao inglês Gibraltar.

trajecto

A partida foi efectuada em Lisboa passando a ponte Vasco da Gama rumando ao sul, via A2. Optou-se por utilizar um caminho secundário que se revelou num erro a nível de tempo gasto mas deu para efectuar uma breve paragem por Serpa.

warrior
Serpa

A chegada a Cádiz deu-se ao final da tarde, mas devido ao interessante horário espanhol o sol ainda tinha muito para percorrer até se esconder. Cádiz é uma cidade peculiar, visto estar quase rodeada por mar. Sem a ajuda de uma mapa, é com enorme facilidade que nos perdemos pelas ruelas antigas e pelas ínumeras pracetas.

cadiz

O segundo dia teve como destino Algeciras (pelos vistos o nome descende do árabe e é o mesmo da famosa cadeia de televisão). Esta cidade iria servir de ponto de partida para Ceuta e posteriormente Gibraltar. Não estava prevista um visita extensa a Algeciras, e de facto não o fizemos. No entanto, fora o seu imponente porto e vista para Gibraltar, não me cativou. Melhor foi a viagem até Ceuta através do BuqueBus, onde até tivemos direito a desconto. A viagem é relativamente rápida (cerca de 45 min) e com bastante conforto (até Telepizza havia a bordo).

Ceuta é uma cidade fantástica e que se percorre relativamente bem a pé, desde as ruelas cheias de comércio aos monumentos antigos que se escondem nas esquinas. Destaco o forte imponente rodeado por águas salgadas e a estátua do Infante D.Henrique (até alguém me provar o contrário aquele é o Infante D.Henrique).

henriqiue
ceuta
Depois de Ceuta seguiu-se Gibraltar que também recomendo apesar dos preços elevados, da gasolina/gasóleo super barato e de termos sido assaltados por um macaco, que nos levou o almoço 🙂

macaco
Depois de Gibraltar, rumou-se a Portugal, com destino ao Algarve, onde depois de uma noite de repouso se partiu para Lisboa. Todas as cidades são altamente recomendáveis como visita, pois para além do interesse histórico, são fáceis de trilhar a pé e ainda podem mandar um mergulho, pois todas têm praia. 😉

Light station

Há cerca de 8 meses que não voltava a Aveiro. Foi uma visita de médico nocturno ;). Como mandam as regras de um bom aveirense dei um salto até à praça do Peixe. Mediante o número de pessoas presente naquele local, é sempre possível antever e medir a “temperatura” da noite.

Acabei a visita pela Estação da Luz, onde o ambiente foi uma bela supresa. Sempre me lembrei da Estação da Luz, como uma discoteca onde tudo estava “quase” perfeito ou, pelo contrário, tudo estava longe de uma noite bem passada. Reparei que fizeram algumas remodelações no “layout”, permitindo que as pessoas procurem outros espaços. Pessoas bonitas, companhia fenomenal e a supresa da existência ocasional de um vento agradavelmente feroz, fizeram com que a visita a este espaço fosse uma experiência positiva.
Só faltou a visita a uma das míticas pastelarias, DoceAveiro, Fanepão ou Venepão, para acabar de recordar os bons tempos. Fica para a próxima.

Até breve Aveiro.

The bike country

A viagem ia começando mal com um voo bastante atrasado nos nossos amigos espanhóis. Depois de uma passagem por Madrid, a chegada até Schiphol foi rápida visto que fui o tempo todo a dormir. Bem, em todas as viagens aéreas desta jornada holandesa fiz questão de descansar. Aliás, aprendi um truque soberbo com um holandes na viagem entre Madrid e Amesterdão. O nosso amigo mal se senta, toca de descalçar as botas. “Olha o desgraçado do holandês! Não tarda nada isto fica infestado com um cheiro terrorista!”. Se não os podes vencer, junta-te a eles! A viagem num avião com cadeiras um pouco apertadas, torna-se num sonho mal as botas saem fora dos pés e as meias tocam o aveludado chão do Boeing. Apresento aqui um agradecimento especial ao senhor holandês que se sentou ao nosso lado.

Amsterdan

As coisas na holanda não começaram com facilidades. O facto é que em Waenening Wageningen, existe uma enorme vontade colectiva de exercitar as pernas nos pedais de um bicicleta. Propositadamente ou não, os serviços, lojas, residências, escolas,.. estão estrategicamente colocados. Cada um encontra-se afastado dos outros por uns bons quilómetros. Não fossem já as coisas díficeis, a realidade ditou que neste país chovesse bastante e por largas horas.

A visita a Amesterdão demorou várias horas e cada rua patrolhada duplamente. Deste modo, num possível retorno a esta cidade, a lição estaria estudada duas vezes. Umas quantas festas portuguesas depois já estaríamos de volta a terras lusas com saudades daquele chuvado mas belíssimo país.

Vaarwel holanda!

Pólos

Hoje recebi o boletim mensal da Quark Expeditions. Esta empresa organiza exclusivamente viagens à Antártica e Antártida, ou seja, pólo Norte e Sul.

São vários dias de viagem utilizando um dos vários barcos navios que têm ao dispôr. São também efectuadas expedições a terra (ou a gelo … ) durante os vários dias. Parece-me uma experiência fascinante, pena é o preço exorbitante.. Fica para quando tiver estiver a nadar em dinheiro…