Roteiro – Kubo

Não se trata do famoso filme, mas de um espaço diferente criado pelo Grupo K, talvez mais conhecido por ser o detentor da discoteca Kremlin em Lisboa.

kubo

kubo

O Kubo impressiona. A entrada de escadarias amplas e o seu espaço livre picotado com vários cubos luminosos e divãs brancos abraçam o Tejo.  O efeito é reforçado com a existência de espelhos de água que conseguem prolongar o rio que está a escassos metros.  Apesar de não ter divisões verdadeiras, consegue oferecer espaços distintos, onde podemos, por exemplo, disfrutar de uma refeição agradável ou tomar algo liquido como o ambiente onde estamos.

A côr branca é predominante neste espaço e contrasta com a paisagem fantástica que se pode apreciar sem qualquer tipo de limitação. Os preços praticados não serão os mais apelativos, mas o local é recomendado tanto em final de tarde, início ou final de noite.

Copofonia (1): 5/10 (os preços não convidam a exageros)
Namorada friendly (2):10/10
Ambiente (3): 9/10
Música (4): 6/10
Aviso de barramento (5):Bandeira Vermelha! Calções e chinelos estão fora de questão!

Classificação (6): 8.5/10

Ver notas do roteiro

Roteiro – The house of Vodka

Vodka, misturada com algo peculiar, torna-se numa das bebidas que mais aprecio. Daí visitar o restaurante “The House of Vodka”, levou a que as expectativas ficassem elevadas. Exigia-se o melhor e com sabor a vodka…

The house of Vodka

O The House of Vodka, ou a casa da Vodka, é um restaurante situado perto do Bairro (ver mapa), que serve refeições com o requinte especial da vodka. Desde as entradas, pratos principais e sobremesas, garantiram-me que tudo tinha, nem que seja um pouco, de vodka.

Mas fora a sangria de vodka que não teve dificuldade alguma em escorregar até ao sítio onde estava melhor, não senti qualquer vodka nas outras iguarias que tive oportunidade de provar. De facto, dado o meu gosto especial por vodka e amante da gelantina de vodka, foi com desilusão que não senti o nectar russo misturado pelos vários ingredientes. Não quero com estas palavras afirmar que tanto a comida e o restaurante não sejam agradáveis. Pelo contrário, fora o irritante ruído do sistema de refrigeração (nota: ficar no lado da varanda, o mais longe do balcão possível) o espaço é bastante agradável e a comida saborosa. Mas faltava lá a .. vodka.

Copofonia (1): 5/10 (Sangria de vodka altamente recomendada!))
Namorada friendly (2):8/10
Ambiente (3): 6/10
Música (4): 3/10
Aviso de barramento (5): Não aplicável

Classificação (6): 6.5/10

Ver notas do roteiro

Roteiro – Fábrica de Braço de Prata

Este local estava na mira há bastante tempo. Apesar de ficar relativamente perto de casa, ficou sempre esquecida uma visita, ultrapassada por outros sítios. Não consigo arranjar explicação para não ter prestado um digna visita a esta fábrica de cultura antes, mas resolvi redimir-me e dediquei-lhe alguns momentos.

fábrica

A Fábrica de Braço de Prata não é apenas um local diferente onde nos sentimos bem. É percorrer um corredor e encontrar algo que nos supreende. É entrar numa porta, encontrar uma mesa onde poisar o liquido pedido há pouco no bar, e ficar supreendido por uma música que percorre divisões onde outrora nasciam máquinas de guerra. É trocar umas palavras agradáveis no meio de um corredor imerso em fotografias. Descrever o local em meras palavras é insuficiente, uma visita ao local é obrigatória.

Copofonia (1): Não aplicável (o local não é adequado a que se promovam tais façanhas)
Namorada friendly (2):8/10
Ambiente (3): 9/10
Música (4): 8/10
Aviso de barramento (5): Não aplicável

Classificação (6): 8.5/10

Ver notas do roteiro

Roteiro – O minhoto

Tive oportunidade de visitar este local acolhedor na festarola deste senhor. Em pleno bairro alto a dois passos da actividade nocturna que normalmente fervilha neste lugar, o Minhoto apresenta-se como um restaurante bastante agradável.

As refeições são de qualidade acima do razoável, no entanto sobressaí o modelo/ementa de jantares em grupo, onde, se refira, está bastante competitivo: 12,50€ a 17,50€ (mediante os menus) com bebida a uma “controlada” descrição.

Copofonia (1): 9/10
Namorada friendly (2):7/10
Ambiente (3): 7/10
Música (4): 1/10
Aviso de barramento (5): Não aplicável

Classificação (6): 7/10

Ver notas do roteiro.

Roteiro – Pavilhão Chinês

Tive o enorme prazer de visitar desta vez um local bastante agradável e certamente único. Após uns breves minutos em que me pude adaptar à envolvência, não tive dúvidas que teria entrada directa no meu Roteiro. Falo do:

  • Pavilhão Chinês

Pelo que parece, está situado numa antiga mercearia, a lembrar os princípios do século XX. Todo o espaço está ocupado com colecções antigas, meticulosamente colocadas. De facto parece mais um museu, do que propriamente um bar. Ainda estou para perceber o nome, porque de chinês, só tinha a entrada. Vivamente recomendado.

Pavil

Classificação:
Copofonia (1): 2/10
Namorada friendly (2): 9/10
Ambiente (3): 9/10
Música (4): 1/10
Aviso de barramento (5): Não aplicável

Classificação (6): 8/10

(1)(2)(3)(4)(5)(6)—> Ver Notas do Roteiro

Roteiro – Chapitô

Resolvi começar uma listagem de sítios que conheci em Lisboa. Este sítios, por agora, vão englobar restaurantes, bares, discotecas, e recantos escondidos…
Iniciemos a lista com uma boa abertura:

  • 1.Chapitô
  • Localizado na encosta do Castelo, tem uma paisagem citadina bastante agradável. Não são propriamente preços baixos os que se praticam, mas ainda dá para pagar uns copos à namorada (que por sinal é um bom sítio para a levar) sem ir à falência e ficar com orçamento para o resto da noite. Isto porque o Chapitô encerra relativamente cedo (2:00).

    Também existe a opção de visitar o Restô, o restaurante deste espaço agradável. Com sorte ainda sacam de um espectáculo ao vivo com os protagonistas da casa.

    Copofonia (1): 4/10
    Namorada friendly (2): 8/10
    Ambiente (3): 7/10
    Música (4): 5/10
    Aviso de barramento (5): Não aplicável

    Classificação (6): 7/10

    Nota:
    (1) Reflecte a capacidade do local de nos oferecer bons litros de bebidas de qualidade apreciável ao melhor preço.
    (2) Expressa o nível potencial da apreciação do espaço por parte da namorada e se é o local indicado para a trazer.
    (3) Se existem pessoas a vender substâncias ilegais, eventuais senhoras da boa vida (leia-se má), senhores de boina com uma mini sagres na boca, etc. Quanto maior a classificação, menor a probabilidade de encontrar tais sujeitos.
    (4) A música poderia ter sido englobada no conceito de ambiente descrito anteriormente. No entanto, a musicalidade do local merece só por si uma classificação.
    (5) Aviso para a eventual existência dos míticos seguranças nocturnos. Um aviso expresso aqui siginifica geralmente que deverão levar umas cinco a dez loiras bem parecidas atrás como precaução para eventual barramento à entrada.

    (6) A classificação dos locais engloba vários paramêtros de calibre reconhecido internacionalmente com base nas normas ISO-222111222 e ISO-123456789. No entanto, reflectem apenas a minha opinião pessoal, por tal não devem ser fonte para cadernos tipo Via Michelins, nem roteiros “tôristicos”. Se no caminho para o local forem assaltados, espancados nego qualquer responsabilidade sobre a informação prestada neste espaço.