Ai a minha Pen!

Tecnicamente falando, não se trata da “pen“, visto que as coitadas das canetas não têm nada a ver com o assunto. Neste caso, fala das pendrives, usb memory disk, usb flash drive, ou como que lhe queiram chamar. Seja pen, daqui a uns anos ainda irá degenerar nalgum neologismo.

Ligamos o computador, enfiamos o maravilhoso dispositvo na ranhura e …. nada! O nosso amigo (cof cof) Windows dispara a mensagem “Não consigo ler! Quer formatar esta coisa que enfiou no portátil?”, ou numa mensagem mais normal: “Can not read from drive X:. Do you want to format it now?”

O suor invade a nossa face. Os preciosos documentos que passeavam no bolso estão em vias de extinção e parece que não há nada que possamos fazer. Ou há?

Já tinha verificado os sintomas desta anomalia congénita algumas vezes, mas só desta última é que realmente me dei ao trabalho de pesquisar por esse mundo fora uma solução para recuperar dados valiosos.

A solução chama-se Testdisk que, apesar de não ser intuitiva a sua utilização ao comum dos mortais, espalha magia pela nossa pen e, com um pouco de sorte, recupera todos os ficheiros que tinhamos dado como perdidos. O Photorec também é uma ferramenta indispensável e uma arma para recuperar dados de memory disks e flashdrives de uma qualquer máquina fotográfica. Felizes recuperações!

Marco Fortes

Impressiona-me os comentários e este escárnio e mal dizer de várias personalidades sobre atletas portugueses que tiveram a infelicidade de proferir palavras que retiradas do contexto foram muito mal interpretadas. Fica o discurso directo do Marco Fortes e as suas declarações polémicas.  Mas alguém acredita que um atleta de alta competição vá para os jogos olímpicos passear?

Roteiro – Kubo

Não se trata do famoso filme, mas de um espaço diferente criado pelo Grupo K, talvez mais conhecido por ser o detentor da discoteca Kremlin em Lisboa.

kubo

kubo

O Kubo impressiona. A entrada de escadarias amplas e o seu espaço livre picotado com vários cubos luminosos e divãs brancos abraçam o Tejo.  O efeito é reforçado com a existência de espelhos de água que conseguem prolongar o rio que está a escassos metros.  Apesar de não ter divisões verdadeiras, consegue oferecer espaços distintos, onde podemos, por exemplo, disfrutar de uma refeição agradável ou tomar algo liquido como o ambiente onde estamos.

A côr branca é predominante neste espaço e contrasta com a paisagem fantástica que se pode apreciar sem qualquer tipo de limitação. Os preços praticados não serão os mais apelativos, mas o local é recomendado tanto em final de tarde, início ou final de noite.

Copofonia (1): 5/10 (os preços não convidam a exageros)
Namorada friendly (2):10/10
Ambiente (3): 9/10
Música (4): 6/10
Aviso de barramento (5):Bandeira Vermelha! Calções e chinelos estão fora de questão!

Classificação (6): 8.5/10

Ver notas do roteiro