NES 8 Bits

Para aqueles, que como eu, passaram uma parte da infância com a companhia do Super Mario, Megaman e afins deixo aqui um pequeno tesouro capaz de reavivar memórias antigas. A experiência não é a mesma sem estar com um comando de dois botões nas mãos, De qualquer maneira aqui fica – Jogos NES para jogar num browser.

Futebol volta a atacar?

O homem fala muito, mas muita gente não o pode ouvir simplesmente por isso, fala muito e muito e não diz nada. Para além de condenar o acto de tentativa de agressão, não posso de deixar estranho que se parta logo para uma conclusão simples: Rui Santos sofreu uma (tentativa?) de agressão por causa e/ou por alguém ligado ao futebol.

Segundo declarações à Renascença: Durante o confronto físico, os três encapuzados não falaram, pelo que o jornalista desconhece as suas motivações e de que clube são adeptos, na certeza que confia nas autoridades.

Segundo a RTP: Rui Santos, segundo o qual foi atacado por três indivíduos, encapuçados e armados de barrotes, que não lhe disseram “absolutamente nada” sobre as suas motivações.

Gostei da excelente cobertura de vários orgãos de comunicação social, e resolvi dissecar as frases e factos que vieram a público para tentar perceber o que realmente se passou.

Segundo a RR existiu confronto físico, e a RTP acrescenta que Rui Santos foi atacado por três indivíduos. A SIC em comunicado condena a agressão (?) a Rui Santos:

“A SIC condena o incidente ocorrido na noite de Domingo com o nosso comentador Rui Santos. O caso foi imediatamente participado à PSP e os agressores, bem como a viatura em que se deslocavam, estão a ser identificados através do nosso sistema de vigilância com o fim de serem processados criminalmente.  “

Então podemos concluir que o jornalista foi atacado ferozmente com uns barrotes, certo?

Errado. Vejamos mais abaixo as declarações à RTP:

“Entrei no carro e não o consegui trancar. Um indivíduo tentou agredir-me. Não o conseguiu, porque coloquei o corpo de lado para dentro do carro e pontapeei o agressor com toda a força.”

Em declarações ao SOL:

 «Não me deixaram fechar a porta, mas tiveram dificuldade em agredir-me porque eu afastei-os com vários pontapés e não me conseguiram tirar do carro»

Mas pontapeeou o agressor com toda a força? Mas que agressor? Eu acho que a única pessoa que realmente foi agredida no meio disto tudo foi o homem do barrote que levou um valente pontapé com toda a força.

Acho interessante a parte onde é referido que não lhe disseram “absolutamente nada” sobre as suas motivações.

Se os indivíduos não disseram nada sobre as suas motivações como se partem para conclusões como estas:

Durante o confronto físico, os três encapuzados não falaram, pelo que o jornalista desconhece as suas motivações e de que clube são adeptos

 Este país está a ficar perigoso, mas irei até ao fim, em nome da liberdade de expressão. Farei tudo para não ser um novo caso Bexiga

Que culmina no comunicado da SIC:

Este caso vem mostrar, uma vez mais, a profunda intolerância que algumas pessoas ligadas ao futebol continuam a ter face à crítica livre, a que, pelos vistos, continuam a não estar habituados.

Não será partir para uma conclusão demasiado depressa sem analisar factos?

 Nota:

Espaço para dúvidas ortográficas/gramática:

SIBS

Sei que não fui o único, pois o taxista que me trouxe ao meu lar se queixou que alguns clientes deixaram conta por pagar. O que raio se passou com a SIBS hoje em Lisboa? Todas as máquinas offline (a partir da 1 a.m. .. ) , nem a CGD se safou com o sistema interno. Valeu o cartão de crédito… senão tinha ficado a lavar um taxi.

Um conciso mau-estar

A SEDES lança uma tomada de posição e toda a comunicação social se verga ao peso da associação fazendo notícia algo que todos os portugueses estão fartos de saber – isto anda mal.

Honestamente, conhecia pouco da SEDES, a não ser que tem algum peso na vida social e politica portuguesa, e resolvi investigar.

De facto, os seus membros, são homens e mulheres com bastante influência (ex: Rui Vilar, Vitor Bento, etc.).

A tomada de posição aborda várias questões:

  • Falhas no sistema político/governo
  • Descredibilização da classe política
  • Peso do estado na sociedade portuguesa
  • Sensacionalismo da comunicação social
  • As falhas na legislação como refúgio para a corrupção
  • Disparidade no excessivo zelo nas forças policiais
  • Desinteresse da sociedade nos mecanismos de governação

Que fique claro que concordo com vários pontos apresentados na tomada de posição da SEDES, mas acho estranho que existam omissões óbvias de problemas graves da sociedade. (saúde, lentidão na justiça, défice na educação, falta de civismo, crescente endividamento das familias, falta de poder de compra, credibilidade do sistema bancário)

Primeiro que tudo, detesto críticas sem soluções. É fácil apontar o dedo, também o posso fazer. Mas longe de mim ter o poder ou a clarividência de apresentar soluções para problemas tão complexos.

Sejamos pragmáticos, eu ou um humilde leitor deste blog só tem poder na esfera das suas decisões e actos. A SEDES com os seus membros viaja numa esfera fora do universo do comum dos portugueses, daí se ter aproveitado do sensaciolismo da comunicação social para fazer manchete em todos os telejornais. Tendo consciência do relevo que esta tomada de posição iria ter, deveria se ter debruçado sobre os vários problemas que afectam a sociedade e não apenas alguns e talvez apresentar algumas soluções (se existem deveriam também ter sido expostas na comunicação social). Sempre fui da opinião que a lentidão da justiça portuguesa com todos os recursos existentes e infidável número de tribunais de segunda, terceira ou vigésima nona instância são um dos piores problemas da nossa sociedade.

Um país onde os tribunais tendem em demorar anos para resolver míseros problemas ou disputas, não pode funcionar devidamente. Vivemos em sociedade e temos que ter leis que nos orientem no nosso caminho. Se a justiça fosse célere nas decisões e os resultados não fossem tão levianos, não teríamos com toda a certeza, os vários problemas (leia-se corrupção, conflicto de interesses) que existem actualmente.

Os portugueses gostam (eu incluído) de apontar o dedo, julgar sem olhar ao todo das provas e a própria comunicação social aproveita-se disso, informando apenas o que interessa.

Como aproveitar o escárnio e mal dizer do povo português para um fim positivo para a sociedade? Aceitam-se sugestões, mas eu já tenho uma ideia e em breve irei colocá-la, finalmente, em prática…

O Fabuloso gerador de Lero-Lero

Via RCDesigner dei de caras com este fabuloso gerador de Lero-Lero. Tem a capacidade extraordinária de debitar cá para fora verdadeiros discursos que iriam impressionar e deixar de boca aberta muitos frequentadores de um sítio que eu cá sei.

Exemplo:

Tema: O estado da nação

” O empenho em analisar a determinação clara de objetivos talvez venha a ressaltar a relatividade de alternativas às soluções ortodoxas. Neste sentido, o desafiador cenário globalizado exige a precisão e a definição dos métodos utilizados na avaliação de resultados. Todavia, a mobilidade dos capitais internacionais garante a contribuição de um grupo importante na determinação do orçamento sectorial.”

Reciclagem

Acho que hoje foi a primeira vez em largos anos informáticos que dei por mim a cometer um verdadeiro acto de arrependimento. Por norma, costumo sempre desligar a opção de enviar os ficheiros para a Reciclagem do Windows (eu sei que um SHIFT+DEL faz exactamente a mesma coisa, mas .. ). Ou seja, qualquer coisa que seja apagada vai directamente para o vácuo.

Eis que dou por mim e apago o ficheiro errado. Foi um daqueles deslizes de final de dia. Pior, foi que o ficheiro em questão era exactamento o resultado daquele dia de trabalho e a opção de ir parar à reciclagem está desligada – PÂNICO !

“Calma… Não tocar em nada, não vá o PC escrever um cluster indevidamente”

De facto, diz o corolário dos que apagam ficheiros indevidamente que qualquer actividade (escrita) no disco duro em questão, poderá tornar a tarefa de recuperação inviável. Fica o aviso para os próximos distraídos.

“PC seguro,toca a instalar qualquer ferramenta freeware que por aí ande… ” (noutro disco obviamente!)

A tarefa revelou-se penosa, instalei o PC Inspector e corri o bichinho, mas apesar de me ter mostrado vários ficheiros para recuperar bastante antigos (verdadeiras relíquias informáticas), o meu alvo não apareceu.

Tentei mais outras ferramentas e nada … Valeu uma versão intermédia do dito ficheiro para semi-salvar o trabalho. Fica a lição .. nada de trabalhar até às tantas. Manter os horários ou quem se vinga é o PC.

Roteiro – Fábrica de Braço de Prata

Este local estava na mira há bastante tempo. Apesar de ficar relativamente perto de casa, ficou sempre esquecida uma visita, ultrapassada por outros sítios. Não consigo arranjar explicação para não ter prestado um digna visita a esta fábrica de cultura antes, mas resolvi redimir-me e dediquei-lhe alguns momentos.

fábrica

A Fábrica de Braço de Prata não é apenas um local diferente onde nos sentimos bem. É percorrer um corredor e encontrar algo que nos supreende. É entrar numa porta, encontrar uma mesa onde poisar o liquido pedido há pouco no bar, e ficar supreendido por uma música que percorre divisões onde outrora nasciam máquinas de guerra. É trocar umas palavras agradáveis no meio de um corredor imerso em fotografias. Descrever o local em meras palavras é insuficiente, uma visita ao local é obrigatória.

Copofonia (1): Não aplicável (o local não é adequado a que se promovam tais façanhas)
Namorada friendly (2):8/10
Ambiente (3): 9/10
Música (4): 8/10
Aviso de barramento (5): Não aplicável

Classificação (6): 8.5/10

Ver notas do roteiro