QI

A minha profissão até não está mal colocada. Não é que queira dizer algo, mas não matem o mensageiro.

Anúncios

Google Deskbar

Ao ínicio estranha-se. Parece que está qualquer coisa a mais no nosso monitor. Rouba-nos um bom pedaço da área de trabalho e a sua intrusão incomoda. Dei-lhe mais 10 minutos de habituação, e depois era só fazer uma desinstalação.

Comecei pela barra de tarefas, depois pela listagem de emails, notícias na hora, etc. etc. Os 10 minutos já passaram há varios dias, e não penso sequer em trabalhar no computador sem ela. Falo da Google Deskbar. Bato palmas ao Google, colocaram todo o seu poder de pesquisa no meu desktop. “Duas vezes no CTRL” e está aberta uma bela janelinha para procurar todos os meus documentos. As funcionalidades estão fantásticas, mas penso que poderia utilizar mecanismo de transparência, e não um bloco “duro”. Está bastante melhor que o antigo “Desktop Search”, pelo menos a nível de interface.

Neurogénese

Recebi este e-mail com esta bela teoria:

Uma manada de búfalos só pode correr tão rápido como o búfalo mais
lento e quando a manada é caçada, são os búfalos mais lentos e fracos,
os que estão no fim da manada, os que morrem primeiro. Esta é uma
selecção natural, boa para a manada como um todo, dado que a
velocidade geral e a saúde do grupo melhora com a morte regular dos
seus membros mais fracos.

Buffalo

Do mesmo modo, o cérebro humano pode
funcionar tão rapidamente como o seu neurónio mais lento. O consumo
excessivo de álcool, como todos sabemos, destrói os neurónios, mas
naturalmente ataca primeiro os neurónios mais lentos e fracos. Neste
sentido, o consumo regular de cerveja elimina os neurónios mais
fracos, tornando o cérebro uma máquina mais rápida e eficiente. O
resultado deste profundo estudo neurológico verifica e confirma a
relação causal entre as borgas de fim de semana e o rendimento dos
economistas, consultores, matemáticos, engenheiros, advogados,
pilotos, etc. De igual modo, explica porque, poucos anos depois de
acabado o curso e contraído matrimónio, a maioria dos profissionais
não conseguem manter os níveis de rendimento dos recém saídos das
universidades. Só os poucos que mantêm o estrito regime de voraz
consumo alcoólico conseguem manter os níveis intelectuais que
alcançaram durante os anos em que eram estudantes universitários.

Por todos estes motivos, isto é uma chamada às armas!!! Enquanto o
país está a perder o seu potencial intelectual nós não podemos ficar
em casa sem fazer nada!!

Beer

Vamos para as tascas!!!
Ocupemos os bares!!!
Vamos beber litros e litros!

O teu governo, a tua empresa e o teu país necessitam que estejas no
teu melhor, sem limites para o teu potencial criativo e intelectual.
Corta as tuas amarras e dá o litro!!!

TU TENS UM DEVER!!!! CUMPRE-O!!!!!!

Ora, desde pequenos somos ensinados que nascíamos com um número limitado de neurónios. De facto, a informação era que estes nunca iriam aumentar o seu número. Ora, eis que, devido a este fabuloso e-mail, descobri que isto é inteiramente falso. Existe uma pequena coisa, que ocorre nos nossos cérebros (bem, talvez não em todos), que permite que o número de neurónios aumente. Chama-se neurogénese. E talvez o alcool tenha alguma influência no processo.

Vizinhos

Todas as pessoas que vivem em prédios os têm. Aqueles vizinhos que são umas verdadeiras pestes. Pestes no sentido de serem verdadeiramente irritantes, ao ponto de ficarmos fulos por pequenas acções que estes seres teimam em repetir ou, quem sabe, inovar.

Estes vizinhos felizmente têm uma densidade existêncial baixa. Por norma, existe um ou dois por prédio. São normalmente caracterizados por uma tenacidade exagerada, um anormal senso comum, de idade avançada com uma pitada enorme de “muita lata” em cima para dar gosto. Mas esta raça apesar de nos deixar à beira de uma pilha de nervos, possuí uma enorme virtude. Eis que passo a descrever o recente brilharete do meu vizinho (que a maioria das vezes me irrita profundamente):
O meu bairro é bastante sossegado, principalmente à noite. Aliás, o bater de uma porta de um carro com mais força a altas horas é algo que todas os habitantes deste preciosa pérola em Lisboa iriam notar. Ontem, por volta da uma da manhã, ouve-se um grito irrealista que dava a entender que o emissor estaria unicamente a brincar.

Isto teria passado despercebido ao meus ouvidos não fosse o facto de o grito se repetir de minutos a minutos, por vezes variando no timbre e na duração. Fui me deitar consciente que talvez a gritaria não fosse acabasse tão depressa. E tal aconteceu… a juventude não parava com vontade de gritar. E aquilo teimava em não acabar…

Ainda pensei em abrir a janela e tentar convencer a juventude a ir gritar para outra freguesia, mas depois ocorreu-me: “Segundo conheço o meu vizinho este não deve tardar a fazer uma boa intervenção..” Ouvi uma janela a abrir, e os jovens longe ainda de terem a garganta seca, replicaram com alguns gritos. Estranhamente, não ouvi o vizinho a barafustar… mas cinco minutos depois parou em frente aos jovens um carro de polícia. Remédio santo! Fica provado que não são apenas desvantagens…